NINGUÉM VIVE SÓ

Ninguém vive só…
mesmo as estrelas do céu brilham juntas.
Mesmo as águas do oceano correm em conjunto.
Mesmo as lágrimas rolam duas a duas,
não raro acompanhadas de sorrisos…

Ninguém vive só…
Mesmo as folhas pequeninas dos arbustos
dormem juntas.
E os pássaros cortam ares em revoadas.

Ninguém vive só.
Mesmo as pedras procuram o caminho,
porque o caminho não é deserto,
mas transitado pelos homens.
Mesmo as flores procuram o jardim,
porque os jardins são visitados.
Mesmo os perfumes procuram as flores,
porque a flor perfumada exerce maior atração…

Ninguém vive só…
E nessa grande harmonia de conjunto,
resta a constante busca de "outro",
neste irresistível poema de sociabilidade,
nós nos situamos também como gente.

Ninguém vive só…
Situar-se como gente é abandonar a idéia do EU,
a atitude do egoísmo para aderir ao NÓS.
Eu, você, todos nós:
Abertos,
confiantes.

Roque Schneider
Parada para
Pensar

 

É NATAL TODOS OS DIAS – CAMILLE LABRECQUE

pintura em tecido de natal sino e fita

É Natal cada vez que a gente enxuga uma lágrima nos olhos de uma criança

É Natal cada vez que terminamos com um conflito e abrimos as mãos

É Natal cada vez que somos pacíficos e sensatos

É Natal sempre que forçamos a pobreza a declinar cada vez mais

É Natal todos os dias na terra

Porque Natal, meu irmão, é Amor

É Natal, quando nossos corações esquecendo as ofensas são realmente fraternos

É Natal, quando finalmente surge a esperança de um amor mais real

É Natal, quando de repente terminam as mentiras dando lugar à felicidade

É Natal nos olhos do pobre que visitamos em seu leito do hospital

É Natal nos corações daqueles que convidamos para a felicidade normal

É Natal nas mãos de alguém que compartilha hoje nosso pão

É Natal, quando o mendigo se esquece de todas as injúrias e já não sente fome

É Natal todos dias na terra

Porque Natal, meu irmão, é Amor

(Tradução)
Fonte das imagens:
Pintura em Tecido
                                 Cantinho da Mary


F.N.

 

JUSTIN TRUDEAU PRIMEIRO-MINISTRO DO CANADÁ

justinassermentation

O novo Primeiro-Ministro JustinTrudeau foi empossado em 04 de novembro, no Rideau Hall, em Ottawa.

O Primeiro-Ministro do Canadá é o chefe do Governo do Canadá nomeado pelo Governador Geral. A tradição constitucional quer que seja nomeado o líder do partido político com mais membros na Câmara dos Comuns do Canadá. O Primeiro-Ministro possui o direito de usar o título "O Muito Honorável" para a vida; em francês: "Le très Honorable" e em inglês: "Prime Minister of Canada"). Ele é designado pelo Governador Geral para formar o governo (o órgão executivo) do Canadá sob a sua responsabilidade.

O atual Primeiro-Ministro é Justin Trudeau, líder do Partido Liberal do Canadá. Seu partido ganhou a maioria absoluta na Câmara dos Comuns na eleição federal canadense de 2015. Justin Trudeau e seu gabinete tomou posse perante o Governador Geral, em 04 de novembro de 2015.

Fonte: Wikipédia
             L’encyclopédia Livre
Crédit photo : PC / Sean Kilpatrick

folha

O AMOR ANTIGO

casal

O amor antigo vive de si mesmo,
não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige nem pede. Nada espera,
mas do destino vão nega a sentença.

O amor antigo tem raízes fundas,
feitas de sofrimento e de beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
e por estas suplanta a natureza.

Se em toda parte o tempo desmorona
aquilo que foi grande e deslumbrante,
o antigo amor, porém, nunca fenece
e a cada dia surge mais amante.

Mais ardente, mas pobre de esperança.
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
e resplandece no seu canto obscuro,
tanto mais velho quanto mais amor.

Carlos Drummond de Andrade
Imagem : Oficina do Gif

AS NOVELAS E A DIMINUIÇÃO DA NATALIDADE NO BRASIL

bn5ez9ir

Basta uma personagem na novela da Globo usar esmalte azul para encontrarmos na semana seguinte milhares de mulheres de todas as classes sociais usando esmalte azul. Esse mimetismo já é bem conhecido, mas podemos pensar além dos produtos: que comportamentos são introduzidos na sociedade a partir de uma novela? Que peso tem um autor, diretor e ator de novela para mudar o mundo?

Um artigo acadêmico publicado em 2008 por Eliana La Ferrara, Alberto Chong e Suzanne Duryea com o título Soap Operas and Fertility: Evidence from Brazil, estudou a fundo a relação entre novelas e a diminuição no número de filhos na família brasileira.

O estudo analisou somente as novelas da Rede Globo e cobriu o período de 1970 a 1991. Descobriu que as mulheres que viviam nas áreas com sinal da Globo tiveram uma queda muito forte na fertilidade. O impacto é mais forte nas pessoas de condição social mais modesta e nas mulheres acima de 30 anos. Demonstra também que foram as novelas e não os programas de televisão que influenciaram a mudança no comportamento da família.

Pesquisando a estrutura das novelas, o estudo descobriu que as famílias que aparecem nas tramas tinham muito menos filhos do que a família real brasileira.

Enquanto o país tem um nível de ensino rudimentar (basta pensar que 34% dos universitários brasileiros não possuem um grau pleno de alfabetização funcional), 90% dos lares tem uma televisão. Enquanto o ano letivo tem 200 dias (na teoria), as novelas ocupam mais de 300 dias.

A taxa de fertilidade por mulher no Brasil teve a queda mais acentuada no mundo, ultrapassando a China (onde o governo introduziu a política do filho único, a esterilização e o aborto compulsório). Em 1960 havia 6,3 filhos por mulher no país; em 1970 havia 5,8; em 1991 apenas 2,9. Atualmente, em boa parte do nosso território, já estamos abaixo da taxa de reposição que é 2,1.

O perfil de 115 novelas da Globo indica que 72% dos principais personagens femininas, com idade inferior a 50 anos, não tinham nenhum filho. Sendo que as outras 21% tinham apenas 1 filho. Se consideramos apenas as heroínas que estão casadas nas novelas da Globo temos que 41,2% não tem filhos; 33,3 tem apenas 1 filho e 20,1% tem 2 filhos. Isso distorce totalmente a realidade.

Para piorar, a heroína além de não ter filho é rica e feliz. Em 1994 um estudo com mulheres que assistem novelas pediu que elas descrevessem a típica família que aparece na tevê e a típica família brasileira. Essas mulheres responderam que a família na novela é pequena, rica e feliz; a família real é maior, tem mais filhos e tem cara mais triste.

A influência, logicamente, não se atém ao número de filhos. Vai para o casamento, divórcio e traição. O estudo contabilizou que apenas 27% da heroínas das novelas com 50 anos ou menos são casadas e 12% são divorciadas ou separadas (deve-se ter em conta que isso cobre um período anterior a lei do divórcio e ao crescente número de separações e coabitações). Das casadas, 42,3% traem seus maridos na novela.

Contar uma história é sempre a melhor forma de transmitir algo para as pessoas. Isso pode ser uasdo para o bem, ou como neste caso, para o mal.

Fonte: Do namoro aos filhos – O blog da família Gomes
Publicado no Portal da Família em 12/07/2015

bn5ez9ir