Cartão de Natal

Destacado

flower-3115353_640_thumb.jpg

Imaginei um cartão de natal
Onde pudesse ler sua alma
Fazer sorrir seu coração…
Uma rosa aveludada
Um bombom de morango
Uma fita de cetim
Uma canção de anjo
Na rosa… Seus desejos
No bombom, um beijo
Na fita, suas esperanças
Na canção… Nossa amizade
Ecoando no horizonte.

(Sirlei L. Passolongo)

 

Chorar é lindo

Chorar é lindo, pois cada lágrima na face
são palavras ditas de um sentimento calado.

Pessoas que mais amamos, são as que mais magoamos
porque queremos que sejam perfeitas,
e esquecemos que são apenas seres humanos.

Nunca diga que esqueceu alguma pessoa, ou um amor.
Diga apenas que consegue falar neles sem chorar,
porque qualquer amor por mais simples que seja,
será sempre inesquecível…
Mário Quintana

Halloween

L’Halloween approche à grands pas. No dia 31 de outubro se comemora o Halloween, mais conhecido no Brasil como o “Dia das Bruxas”. É muito comum fazer caretas nas abóboras para utilizá-las como decoração. Para a ocasião, alguns ficam apavorados com histórias de horror colhidas aqui e ali. Emoções garantidas.

Uma história de Halloween

Havia numa cidade uma velhinha magrinha, alta, toda descabelada parecendo ter uns 90 anos de idade. Ela todas as noites de lua cheia aparecia em frente ao cemitério Cruz e ficava lá pedindo esmola.

Um dia um grupo de alunos deu uma festa no Stilus Halloween, uma danceteria que ficava perto do cemitério Cruz. Foi uma festa sinistra, de arrepiar, de arromba que deixou a galera animada. A festa rolou até altas horas da madrugada, quando a turma decidiu voltar para casa.

No caminho de volta da festa a galera passou em frente ao cemitério e viu uma velhinha pedindo esmola. Os garotos acharam muito esquisito, mas como eram gentis foram lá vê-la e um dos jovens perguntou:

– A senhora não tem medo de ficar aqui até essa hora da noite?

Ela então respondeu:

– Quando eu era viva eu tinha.

Ao ouvir isso todos saíram correndo.

Fonte: Amino

pumpkin-2327488_640

 

 

Bola de meia, bola de gude

Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem pra me dar a mão

Há um passado no meu presente
Um sol bem quente lá no meu quintal
Toda vez que a bruxa me assombra
O menino me dá a mão

E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito
Que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade alegria e amor
Pois não posso
Não devo
Não quero
Viver como toda essa gente
Insiste em viver
E não posso aceitar sossegado
Qualquer sacanagem ser coisa normal

Bola de meia, bola de gude
O solidário não quer solidão
Toda vez que a tristeza me alcança
O menino me dá a mão
Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto fraqueja
Ele vem pra me dar a mão

O Dia das Crianças é comemorado anualmente em 12 de outubro no Brasil.
Para homenagear este dia, escolhi este lindo poema de Milton Nascimento.

“Ser criança é sorrir sem medo, agir sem preconceito e procurar ser feliz em qualquer idade”.