ESTUDANTES EM GREVE NO QUÉBEC

 PC_120313_ur3it_manifestation_etudiante_sn635

Manifestação em Montréal
Foto : Internet

 

 

Quinze semanas que os estudantes de CEGEP (nível colegial) e de Universidades do Québec manifestam contra o aumento das mensalidades anunciado pelo Primeiro Ministro Jean Charest.
Trata-se da primeira e mais importante greve estudantil na História do Québec.

Para manifestar o desacordo ao governo, a maior parte dos estudantes exibe um quadrado de cor vermelha preso na roupa com colchete. Outro grupo da minoria, um quadrado de cor verde para expressar o desejo de retornar à Escola.

Manifestações são organizadas, diariamente,  pelos estudantes. Infelizmente, algumas  foram consideradas ilegais pela polícia por causa de vandalismo, violência, confronto com os policiais.

Line Beauchamp, Ministre da Educação, após tentativa para chegar a um acordo, pede demissão do cargo precisando aos jornalistas a razão pela qual cedia seu lugar: “Je demissione parce que j’estime que je ne fais plus partie de la solution” ( Peço demissão porque sinto que não faço mais parte da solução. ) Michelle Courchesne a substitue.

A adopção de uma lei especial, a lei 78 para enquadrar as manifestações e acabar com o conflito dos estudantes, continua a alimentar controvérsias. Estudantes, diferentes organismos, pessoas solidárias consideram a lei muito severa e exprimem a insatisfação para com o Governo Charest.

Reação de Martine Desjardins, presidente da FEUQ ( Fédération étudiante universitaire du Québec )

La loi déposée met à mal le droit démocratique de manifester pour l’ensemble de la population”. ( A lei proposta define mal o direito democrático de manifestar para a população em geral ) Par Radio Canada.

Gabriel Nadeau-Dubois, porta – voz  da CLASSE ( Coalition large de l’Association pour une solidarité syndicale étudiante ) afirmou ao Jornal Le Soleil:

“ Il n’est pas exclu de désobéir à cette loi”. ( Não é impossível de desobedecer a esta lei. )

Leo Bureau-Blouin, presidente da FECQ ( Fédération étudiante collegiale du Québec ), declarou por sua parte que a lei 78 é excessiva.

Même avec les amendements, c’est une loi excessive qui limite d’une manière beaucoup trop importante le droit de manifester, le droit de se rassembler, le droit d’association”. ( Mesmo com modificações é uma lei excessiva que limita duma maneira muito importante o direito de manifestar, o direito de se reunir, o direito de  association.) Par Radio Canada.

As federações dos estudantes dizem que o combate não terminou, prometendo prosseguir a luta. Continuam as manifestações noturnas e são múltiplos os atos de violência.

 

 FECQ e a Federação dos Estudantes Universitários do Québec ( FEUQ) pretendem contestar a lei 78 na Justiça.

La CLASSE através dos porta-voz Gabriel Nadeau-Dubois e Jeanne Reynolds anunciou, ontem, que não tem a intenção de se submeter à lei adotada pelo governo do Québec e convida a população à desobediência. A associação pretende prosseguir a greve durante todo o verão e recusa de fornecer o trajeto das manifestações. (Tradução do texto da entrevista na Radio Canada). 

Grande manifestação contra o aumento das mensalidades e contra a lei 78 votada pelo Parlamento de Québec terá lugar hoje, às 14 horas em Montréal, para marcar o centésimo dia da crise estudantil no Québec.

Anúncios

2 respostas em “ESTUDANTES EM GREVE NO QUÉBEC

    • Olá Mercedes! Obrigada pela visita e comentário.
      Cada noite há manifestação em Montréal e a violência explode. Nada justifica o recurso à violência. Urge a volta à calma antes que aconteça coisa mais grave.
      Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s