Receita de Ano Novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade

13958636841360790410divider line flower roses gold n coffee-hi

Olhos tristes ( Oriza Martins )

Dizem que o meu semblante
Traz a tristeza no olhar,
É como tarde nublada,
É como praia sem mar…

Olhos tristes como o vento
Que aos poucos vem chegando,
Soprando um doce lamento,
Nostalgia espalhando…

Tristes como a avezinha
Que seus ovinhos perdeu
Por não conseguir salvá-los
Com as asas que Deus lhe deu…

Tristes como o saudosista
No tempo estacionado;
Não curte a vida presente,
Vive atrelado ao passado…

Tristes como a pobre alma
Que se sente abandonada,
Emaranhada nos erros
De uma vida desregrada.

***

Dizem: teus olhos são tristes…
Se o são, já sei por quê:
Eles refletem tristeza
Por eu estar sem você…


Meu Destino

    Nas palmas de tuas mãos   
    leio as linhas da minha vida.
    Linhas cruzadas, sinuosas,
    interferindo no teu destino.
    Não te procurei, não me procurastes –
    íamos sozinhos por estradas diferentes.
    Indiferentes, cruzamos
    Passavas com o fardo da vida…
    Corri ao teu encontro.
    Sorri. Falamos.
    Esse dia foi marcado
    com a pedra branca
    da cabeça de um peixe.
    E, desde então, caminhamos
    juntos pela vida…

   Cora Coralina

   Foto : Wikipédia

Ver

 

 

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luis de Camões

Canção para uma valsa lenta

582a34ec1eea4-mario-quintana

Minha vida não foi um romance…
Nunca tive até hoje um segredo.
Se me amas, não digas, que morro
De surpresa…de encanto…de medo

Minha vida não foi um romance,
Minha vida passou por passar.
Se não amas, não finjas, que vivo
Esperando um amor para amar.

Minha vida não foi um romance
Pobre vida…Passou sem enredo…
Glória a ti que me enches a vida
De surpresa, de encanto, de medo!

Minha vida não foi um romance…
Ai de mim…Já se ia acabar!
Pobre vida que toda depende
De um sorriso…de um gesto…um olhar…

Mário Quintana

 

Seja feliz

Não fique triste!
A vida é linda demais…
Olha a lua, as estrelas
Estão lá a brilhar porque você existe…

O sol?
Vêm todas as manhãs te beijar a pele
E você nem o nota,

…As flores? Ah! As flores são mágicas,
Nasceram pra fazer seu olhar brilhar
Toda vez que olhar pra elas.

Ah! Ainda falta alguém? Falta você…
Olha você!… Que obra prima de Deus,
Escolhida por Ele para viver e ser feliz.

Sirlei Passolongo

A volta do amor

Imagem Pixabay

E quando o amor reaparece,
de repente, no fim do dia,
a gente sempre se esquece
que quase morreu de agonia.

E ele chega faceiro,
no olhar, nenhuma culpa.
Ah! Seu moleque matreiro,
nem venha pedir-me desculpa!

Mas ele me abraça, despudorado,
quebrando qualquer argumento;
E meu coração, desmoralizado,
entrega-se sem perda de tempo!

O tempo para,
a gente perde a hora;
e o coração nem repara
quando ele vai embora!

Lídia Vasconcelos

Dia da Terra

Este ano, a Terra está comemorando seu 50º aniversário. Hoje, 22 de abril de 2020, acontece em pleno isolamento social total ligado ao COVID-19. Essa data vem nos mostrar a necessidade de mudar os hábitos, de agir pelo clima, pois urge proteger nosso Planeta.
Para celebrá-la, escolhi um poema de Leda Cantalice de Medeiros: A terra ontem e hoje.

Eu era virgem e formosa
Vivia banhada em mel
Abelhas me trabalhavam
Só se via mata e céu
Me deleitava no sono
Como uma noiva, com véu

Rios de águas, tão lindas
Desciam por cima de mim
Sem sujeiras, e nem lixos.
Talvez, flores de jasmim
Hoje quase não me vejo
Mas alimento um desejo
De não estar chegando ao fim

Vejo os homens acabando
Aquele manancial
Rio Amazonas, tão lindo
São Francisco, no final
Como eu era tão decente
Tenho uma saudade, tão grande
Gostaria que eu fosse
Como eu era antigamente

Os homens fazem queimadas
Com uma ganância cruel
Matam animais e matas
Me amargura como fel
Parece até que perderam
No coração o amor
Nem parece aquele homem
Que um dia, Deus criou

Fui tão bela e sadia
Hoje, doente e cansada
Vou morrendo a cada dia
Poluída e maltratada
Tenho pena dos que vêm
Não terão outra morada

 

Bola de meia, bola de gude

Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem pra me dar a mão

Há um passado no meu presente
Um sol bem quente lá no meu quintal
Toda vez que a bruxa me assombra
O menino me dá a mão

E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito
Que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade alegria e amor
Pois não posso
Não devo
Não quero
Viver como toda essa gente
Insiste em viver
E não posso aceitar sossegado
Qualquer sacanagem ser coisa normal

Bola de meia, bola de gude
O solidário não quer solidão
Toda vez que a tristeza me alcança
O menino me dá a mão
Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto fraqueja
Ele vem pra me dar a mão

O Dia das Crianças é comemorado anualmente em 12 de outubro no Brasil.
Para homenagear este dia, escolhi este lindo poema de Milton Nascimento.

“Ser criança é sorrir sem medo, agir sem preconceito e procurar ser feliz em qualquer idade”.

 

Bons Amigos

www.recantodasletras.com.br                                                                   Foto: wikipedia

Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam
a realidade.
Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!

Machado de Assis